As confecções brasileiras poderão contar, em breve, com uma norma de medidas referenciais para vestuário masculino que contemplará variados tipos físicos. O documento está sendo elaborado pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), por meio do Comitê Brasileiro de Têxteis e do Vestuário (ABNT/CB-17) e em agosto deverá seguir para a Consulta Nacional, ficando durante 60 dias à disposição da sociedade, para que envie comentários e sugestões. No passo seguinte, o comitê avaliará as contribuições recebidas e, se não houver necessidade de alterações técnicas que determinem o retorno do Projeto de Norma para a Consulta, será providenciada a sua publicação como Norma Brasileira (NBR).

“Faltam apenas algumas medidas para finalizarmos o Projeto de Norma e esperamos que em 90 dias possamos liberá-lo para publicação”, informa Maria Adelina Pereira, superintendente do ABNT/CB-17, que tem a participação de várias entidades e profissionais do setor.

A aplicação da norma não será obrigatória, entretanto, suas especificações poderão constituir um importante guia para confeccionistas, além de facilitar a escolha do consumidor no momento da compra, principalmente aqueles que se utilizam do comércio online. Para as lojas, a norma deverá resultar em aumento da confiabilidade e redução de trocas, entre outros benefícios.

A exemplo da norma técnica para vestuário infantil e de bebês publicada em 2009, o novo documento adota o conceito de vestibilidade, oferecendo nas etiquetas medidas do corpo a que os artigos se destinam, em complemento às informações de grade numérica (42, 44, 46 etc.) ou de tamanhos como P, M, G, GG. Estarão contemplados os tipos físicos normal, atlético e especial (obesos) e mais de 20 medidas referenciais de estatura, cintura, tórax, braços e pernas, entre outras.

A ABNT é o Foro Nacional de Normalização, por reconhecimento da sociedade brasileira desde a sua fundação em 28 de setembro de 1940 e confirmado pelo governo federal por meio de diversos instrumentos legais. Cabe à entidade a gestão do processo de elaboração das Normas Brasileiras (NBR) e sua publicação.

O ABNT/CB-17 é responsável pela normalização no campo da indústria têxtil e do vestuário compreendendo fibras, fios, cabos, cordoalhas, tecidos e outros artigos fabricados em têxteis; artigos confeccionados; matérias primas; produtos químicos e auxiliares necessários para os diversos tratamentos, no que concerne a terminologia, requisitos, métodos de ensaio e generalidades.

A Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) responde pela Secretaria Técnica do Comitê, que tem os seguintes membros: Associação Brasileira das Indústrias de Nãotecidos e Tecidos Técnicos (Abint); Associação Brasileira de Produtores de Fibras Artificiais e Sintéticas (Abrafas); Associação Brasileira dos Produtores de Fibras Poliolefinicas (Afipol); Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTex); Associação Brasileira do Vestuário (Abravest); Associação Brasileira das Indústrias de Tapetes e Carpetes (Abric); Sindicato das Indústrias do Vestuário (Sindivest); Sindicato da Indústria do Vestuário Masculino (Sindiroupas); Sindicato da Indústria de Especialidades Têxteis do Estado de São Paulo (Sietex);  Sindicato de de malharia e meias do estado de São Paulo (Simmesp); e Sindicato das Indústrias Têxteis de São Paulo (Sinditêxtil – SP).