Em treinamento sobre a Elaboração de Normas Técnicas – Diretiva 2 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), realizado nesta terça-feira (27/04), em Brasília, a gerente de Planejamento e Projetos da ABNT, Márcia Cristina de Oliveira, destacou os princípios da normalização e o processo de elaboração de Normas Técnicas pela ABNT. “A normalização resulta da percepção compartilhada dos agentes (econômicos) de que há vantagens em se chegar a um acordo voluntário para estabelecer bases comuns para o fornecimento de um produto, processo ou serviço, utilizando a tecnologia como instrumento, face à diversidade do mercado”, enfatizou Márcia Cristina. Ela lembrou que “a ABNT está atenta ao aspecto da norma solicitada, se é comercial ou técnico. Se for comercial, geralmente não chega a um consenso”, destaca.  Mencionou ainda, como princípios da normalização, questões como atualização, simplificação, transparência, voluntariedade, paridade e representatividade. O treinamento foi realizado pela Comissão de Materiais, Tecnologia, Qualidade e Produtividade da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Comat/CBIC), em parceria com o SENAI Nacional. 
 
Sobre a Diretiva 02 da ABNT, que trata das regras para estrutura e redação de Documentos Técnicos, o líder do Grupo de Acompanhamento de Normas Técnicas Comissão de Materiais, Tecnologia, Qualidade e Produtividade (Comat) da CBIC, Roberto Matozinhos, reforçou que ela é de suma importância para o desempenho das atividades, como normalizações, pois estabelece as diretrizes para elaboração e revisões em projetos de normas, deixando-as mais facilmente compreendidas por seus usuários. 
 
Buscando ampliar o acompanhamento do setor às novas normas técnicas, Matozinhos solicitou à ABNT a possibilidade de divulgação ao setor sobre a criação das novas Comissões de Estudo. “Às vezes o setor não participa, porque não fica sabendo. Às vezes, ficamos sabendo das normas apenas no final”, destaca. Matozinhos sugeriu a criação de um boletim de Comissão de Estudos. Os participantes do treinamento também pediram acesso à consulta a outras normas.
 
Fonte: NEWSLETTER 27.04.2016 / EDIÇÃO 5699 - CBIC HOJE -  Informativo Diário da Indústria da construção.