Mais uma vez, o Ministério Público arquivou a denúncia de improbidade administrativa e não prestação de contas à sociedade pela ABNT. Na primeira vez, o jornalista profissional, Hayrton Rodrigues, registrado MTPS sob o nº 12113 e no sindicato dos jornalistas profissionais sob o nº 6008, representou contra a atual diretoria da ABNT, acusando-a de usar dinheiro público indevidamente e não prestar contas a sociedade conforme determina a Lei. Após analisadas as argumentações da ABNT, o Ministério Público decidiu arquivar o processo.

Desta vez, um biólogo, acreditando nas informações dos artigos publicados pelo mesmo jornalista profissional Hayrton Rodrigues, representou contra a ABNT acusando-a novamente de descumprimento da lei nº 12.527/2011 (Lei de acesso à informação) no que se refere à prestação de contas relativas as cobranças sobre disponibilização dos trabalhos e outras irregularidades relativas a má administração de recursos públicos e enriquecimento ilícito da Diretoria.

A ABNT, mais uma vez respondeu informando que atende a lei nº 12.527/2011, art. 2º parágrafo único, no que se refere a obrigação de publicar suas informações de forma peculiar, já que sendo uma entidade sem fins lucrativos que recebe recursos públicos para realizações de ações de interesse público deve dar publicidade apenas a parcela de recursos públicos recebidos e a sua destinação, conforme estabelece o decreto nº 7.724/2012, artigos 63 e 64.

Além disso, comprovou que disponibiliza todas as informações solicitadas por lei de forma transparente em seu site (www.abnt.org.br),  e que os recursos públicos não são utilizados para remunerar diretores ou funcionários, mas sim, destinados a cumprir ações de programas específicos de convênios com órgãos federais.

Sendo assim,  a Exmª. Procuradora da República, Dra. Sara Moreira de Souza Leite decidiu arquivar novamente a denúncia, entendendo como clara a honestidade da ABNT com o uso do dinheiro público e seu compromisso de transparência com a sociedade brasileira.