Durante a semana da Assembleia Geral da ISO, realizada entre os dias 10 e 14 de setembro, em Pequim, China, a ABNT assinou novos acordos de cooperação, desta vez com os Organismos Nacionais de Normalização (ONN) da Rússia, México e Portugal.

Rússia (GOST-R)

Nos últimos anos, o relacionamento entre Brasil e Rússia vem crescendo significativamente, marcado por visitas de altas autoridades, pelo diálogo em âmbito multilateral (ONU, G-20, BRICS), pelo expressivo aumento do intercâmbio comercial e dos fluxos de investimentos e pelo aprofundamento da cooperação, particularmente no campo aeroespacial e técnico-militar. Brasil e Rússia são "Parceiros Estratégicos e de Aliança Tecnológica".

De acordo com o site do Itamaraty “A consolidação do agrupamento BRICS é um dos pontos altos das relações entre Brasil e Rússia. Inicialmente visto como conceito meramente econômico, o BRICS se apresenta hoje como plataforma de coordenação política para a proposição de soluções para os desafios internacionais. Ambos os países estão empenhados em avançar dois projetos de cooperação do BRICS – o Novo Banco de Desenvolvimento e o Arranjo Contingencial de Reservas.” O grupo BRICS inclui mais de 15 reuniões a nível ministerial por ano, entre outras reuniões relacionadas, que auxiliam na promoção de cooperação intra-BRICS em áreas tão diversas como agricultura, educação, economia, ciência e tecnologia — incluindo neste contexto a normalização.

No intuito de contribuir, dentro de sua esfera de ação, com esse esforço de cooperação e aproximação comercial entre os países, tanto no contexto de crescimento das relações bilaterais Brasil e Rússia, como também no âmbito das relações dos países que integram o BRICS, a ABNT assinou com a Agência Federal para Regulamentação Técnica e Metrologia da Rússia (GOST-R) um Memorando de Entendimento em que busca promover uma maior interação entre os Organismos Nacionais de Normalização dos dois países, estabelecendo as bases para cooperação técnica no âmbito da normalização e outras áreas de interesse mútuo, reafirmando o propósito de construção de uma agenda de cooperação com aquele país, somando-se aos acordos já existentes entre a ABNT e os demais ONN dos países dos BRICS.

Portugal (IPQ)

O acordo de comercialização de normas assinado com o Instituto Português da Qualidade (IPQ), tem por objetivo disponibilizar no Brasil normas portuguesas e normas europeias traduzidas pelo IPQ para o português, oferecendo desta forma mais um serviço para a sociedade brasileira, que passará a contar em seu portfólio com normas europeias de interesse já traduzidas para português, além das normas portuguesas.

Tal acordo resultou de uma reunião realizada ano passado entre as altas direções da ABNT e do IPQ, no âmbito do Memorando de Entendimento existente entre os dois institutos, assinado em 2014 com o intuito de promover interesses mútuos por meio da cooperação no campo da Normalização, informação e capacitação, de modo a contribuir para o fortalecimento das relações entre as partes e seus respectivos países, bem como buscar meios de promover cooperação no campo da normalização com países de língua portuguesa, seja no âmbito da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), seja diretamente com os países lusófonos. Espera-se que uma cooperação mais estreita entre a ABNT e o IPQ possa vir a contribuir para o fortalecimento dos Organismos Nacionais de Normalização da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, em consonância com o princípio da promoção da cooperação mutuamente vantajosa, no que tange ao intercâmbio de Normas Técnicas, serviços, capacitação e outras formas de cooperação.

México (DGN)

Brasil e o México, as duas maiores economias latino-americanas, juntos representam dois terços do PIB regional e, tanto no cenário de política internacional (ONU, OMC, G-20 entre outros) como na atuação regional (OEA, ALADI,CELAC), os dois países têm uma forte representatividade da região.  Em suas relações bilaterais, há interesse entre os governos de estreitamento do diálogo e cooperação. A exemplo disso, recentemente os ministros de relações exteriores dos dois países se reuniram para tratar, dentre outros assuntos, da ampliação e aprofundamento do acordo bilateral de preferências comerciais. A corrente de comércio bilateral totalizou US$ 8 bilhões em 2015, e, de acordo com a revista Forbes: “atualmente o investimento brasileiro no México soma 1.300 bilhões de dólares, enquanto os investimentos mexicanos no Brasil excede 30.000 bilhões”

A cooperação técnica é também um aspecto relevante nas relações entre Brasil e México. Os dois governos implementaram um programa de cooperação técnica bilateral que, para o período de 2011 a 2013, totalizou 25 projetos, sendo 9 de cooperação prestada pelo Brasil, 6 de cooperação recebida daquele país e 2 de cooperação trilateral, envolvendo terceiros países.

Nesse contexto de intensificação das relações entre os dois países, a ABNT e a Direção Geral de Normas do México (DGN) firmaram Convênio de Cooperação, que tem por objeto incrementar o intercâmbio de informações e a colaboração entre os dois institutos, com a finalidade de facilitar o acesso aos mercados e diminuir as barreiras técnicas desnecessárias ao comércio.