Foi lançada no dia 11, a norma ABNT NBR 16545:2016 - Revestimentos de alta espessura com sistemas de poliureia e híbridos de poliureia/poliuretano - Requisitos de desempenho, que inclui as definições, parâmetros de performance, requisitos de segurança, meio ambiente entre outros itens.

A poliureia é uma tecnologia recente no Brasil, está no mercado há cerca de dez anos, e sua aplicação tem crescido no País devido aos seus inúmeros benefícios, como, insensibilidade à umidade e temperatura, elevada resistência mecânica e química. O produto pode ser usado na construção civil na impermeabilização de pisos industriais, revestimentos de cisternas, revestimento de galeria de água e adutoras, piscinas, telhados verdes, canaletas de água; na indústria naval para proteção contra corrosão; na indústria de mineração na proteção contra corrosão e abrasão; na indústria de petroquímica para proteção contra corrosão; e na indústria automobilística, no revestimento de caçambas de caminhão.

A norma ABNT NBR 16545:2016 tem validade a partir de sua publicação e foi desenvolvida pela Comissão de Estudo de Poliuretano (ABNT/CE - 010.501.09), que pertence ao Comitê Brasileiro de Química (ABNT/CB-10), cuja superintendência está no âmbito da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim).

Segundo o coordenador da Comissão de Estudos de Poliuretano, Vinicius Serves, a norma de poliureia dará base para a criação de normas de aplicação específica para os revestimentos e exige uma resistência mínima de hipermeabilização e proteção mecânica. “Fizemos uma norma básica que especifica a performance mínima do produto e fornece um guia de melhores práticas para se aplicar o material. Como cada segmento é muito específico, é impossível criar uma norma que abrangesse todos os segmentos. O ideal é que cada Comitê Brasileiro da ABNT use a norma como matriz para criar a normatização específica da sua área”, explica.

O coordenador do grupo de trabalho (GT) Poliureia, da Comissão de Estudos de Poliuretano, Wanderley da Costa, explica que a tecnologia da poliureia é a melhor e mais avançada no momento em aplicações de grandes extensões de revestimento. O consumidor final, que contrata esta tecnologia, tem segurança de que estará adquirindo um produto de acordo com os parâmetros internacionais de performance e qualidade.

O desenvolvimento da norma começou em julho de 2013 e envolveu um total de 78 profissionais em 39 reuniões. O coordenador lembra que o desenvolvimento da norma também contou com a participação de empresas relacionadas ao setor. “Nesta fase compareceram empresários, fabricantes das matérias primas, aplicadores, fabricantes de máquinas, professores representando a academia, consumidores, especificadores, engenheiros civis, arquitetos, entre outras pessoas ligadas a área de treinamento em aplicações”.

Para mais informações sobre as normas do setor entre em contato com o analista responsável, Rafael Ramos (Rafael.ramos@abnt.org.br).