As compras do governo representam cerca de 17% do PIB nacional e, através da inclusão de requisitos sustentáveis, auxiliam na melhora da imagem política, na eficiência, na melhoria de qualidade de vida da sociedade, no incentivo do desenvolvimento do país, além de estimular a inovação no mercado interno.

Pensando nisso, a Organização das Nações Unidas (ONU) Meio Ambiente em parceria com o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) e o Ministério do meio Ambiente (MMA) estão desenvolvendo o projeto “Compras Públicas e a Rotulagem Ambiental” (SPPEL, na sigla em inglês), que visa estimular a oferta e a demanda por produtos fabricados de acordo com requisitos socioambientais. Na sua fase inicial, foram selecionados três produtos dos mais comprados pelo governo, sendo eles: detergente, painéis de madeira e papel sulfite A4.

Devido a sua credibilidade, o Rótulo Ecológico da ABNT, que leva em consideração a minimização dos impactos ambientais em todas as etapas do ciclo de vida, foi selecionado como uma das formas de se evidenciar o atendimento a requisitos de sustentabilidade. Para o papel sulfite A4, considerou-se o documento PE-151 Rótulo Ecológico para papel de cópia e papel para usos gráficos.

Adicionalmente, por levar em consideração os principais impactos no ciclo de vida do produto, há uma grande preocupação pelos insumos e matérias-primas que são incorporados no processo de fabricação do papel. Por esta razão, a ABNT reuniu procedimentos internacionais e especialistas da indústria nacional de forma a estabelecer critérios técnicos que levem em consideração a realidade brasileira.

No dia 31de janeiro deste ano, foi aprovado, por um Comitê Técnico de Certificação, que conta com a participação de diferentes atores da sociedade, o procedimento de certificação PE-390 Rótulo Ecológico para Produtos Químicos Utilizados no Setor de Papel e Celulose. Este procedimento tem como objetivo fornecer ao mercado brasileiro critérios de sustentabilidade para os insumos e matérias-primas utilizados nos produtos feitos de papel e celulose, fazendo com que esses impactem menos o meio ambiente e a saúde das pessoas quando comparado aos produtos brasileiros que apenas seguem a legislação. Além disso, este procedimento fornece aos fabricantes de papel e celulose uma nova ferramenta de aquisição de insumos e matérias-primas sustentáveis. Assim, a ABNT atua estimulando a inovação e a sustentabilidade na cadeia de produção nacional, impulsionando o setor a ser referência mundial em sustentabilidade.

Para mais informações sobre os critérios desenvolvidos pela ABNT, acesse:

http://www.abntonline.com.br/sustentabilidade/Rotulo/criterios