O encontrou contou também com a presença de representantes da cadeia produtiva da construção


 

Na última quinta-feira (4/4), o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, recebeu o presidente do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea), Joel Krüger, diretores do Departamento da Indústria da Construção e Mineração (Deconcic/Fiesp) e representantes de entidades da cadeia produtiva da construção, como o vice-presidente do Conselho Deliberativo da ABNT, Mario Willim Esper, além do CAU/SP, CREA/SP, Sinaenco/SP, Sindinstalação, Sindratar/SP, Sinduscon/SP e Sinicesp.

Um dos assuntos abordados foi a modalidade de licitação por pregão eletrônico. Segundo Carlos Trombini, diretor do Deconcic, hoje os serviços de engenharia são considerados pelo governo federal como serviços comuns. Os serviços comuns são contratados pelo menor preço, não levando em consideração a capacidade técnica das empresas. “Nós estamos incentivando o governo a mudar essa ideia. Queremos que os serviços de engenharia passem de comuns para especializados”, disse.

Sobre o tema, a Fiesp se manifestou contrária à modalidade de aplicação de pregão para os serviços de engenharia junto à Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital. Audiências públicas estão sendo realizadas em Brasília, para viabilizar tal pleito.

Outro assunto que recebeu importante destaque foi o BIM (Modelagem de Informação da Construção) que, com a estratégia de disseminação implementada pelo Governo Federal, vem ganhando cada vez mais representatividade no país. Foi dado destaque às ações do SENAI-SP, do Deconcic e de entidades da cadeia produtiva da construção.

De acordo com Ricardo Terra, diretor regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI-SP), o BIM precisa ser discutido com uma visão mais ampla, devendo ser considerado um modelo de negócio para as empresas. Contudo, alguns pontos precisam ser melhor equacionados, como o nivelamento do conhecimento, capacitação e conclusão da normalização e da biblioteca nacional BIM.

Na ocasião, foi sugerido ao presidente do Confea a criação de uma ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) nacional por meio de um sistema unificado e de responsabilidade dessa entidade.

A questão de normalização técnica foi outro ponto de debate, sendo sugerida a disponibilização das normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) sem custos à sociedade. O assunto será estudado pelas entidades envolvidas, com o objetivo de encontrar uma solução que viabilize tal proposta, sem gerar prejuízos financeiros à ABNT.

O presidente da Fiesp, Paulo Skaf, considerou importante a realização de mais encontros como esse, que viabilizam o intercâmbio de informações entre as entidades.

 

Fonte: Agência Indusnet