O Secretário Geral e CEO da Internacional Electrotechcnical Commission (IEC), Phillipe Metzger foi o palestrante em mesa-redonda virtual realizada na segunda-feira, 22 de março, para divulgar a autoridades do governo brasileiro e representantes de indústrias as atividades de normalização e avaliação da conformidade da IEC e sua importância para o comércio internacional.

O evento foi promovido pela própria IEC em parceria com a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e pelo Comitê Brasileiro de Eletricidade, Eletrônica, Iluminação e Telecomunicações (Cobei), que opera o Comitê Nacional Brasileiro daquele organismo internacional. O diretor regional da IEC para a América Latina, Amaury Santos, conduziu a programação.

Em sua palestra Metzger destacou os avanços da normalização do setor para atendimento de novas demandas em tempo de transformação digital, caso da chamada Indústria 4.0 envolvendo diferentes tecnologias para workflow, cloud computing e inteligência artificial.

“Há uma integração sem precedentes”, afirmou o dirigente, apontando como exemplos o ISO/IEC/JTC 1 – Quantum Computing e as normas ISO/IEC sobre sistemas de gestão de segurança da informação que refletem o trabalho de especialistas de diferentes organizações. Segundo ele, a participação na IEC só traz vantagens, como a contribuição para a inovação e o estímulo às futuras gerações.

Em suas mensagens de boas-vindas, o presidente da ABNT, Mario William Esper, e o presidente do Cobei, Fabián Yaksic, exaltaram a relevância das normas internacionais da IEC para garantir a qualidade e a segurança de produtos e a credibilidade de ensaios e certificação. Wiliam Pereira, diretor do Cobei, assegurou que o uso das normas internacionais da IEC tornaram o país mais competitivo.

Por sua vez, o presidente do Sindicato da Indústria de Aparelhos Elétricos Eletrônicos e Similares do Estado de São Paulo (Sinaees), Humberto Barbato, complementou que normas da IEC atendem aos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável propostos pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2015, com a meta de serem alcançados até 2030.

Governo elogia

Um dos objetivos da mesa-redonda foi estimular órgãos de governo e o setor produtivo brasileiro a oferecerem sugestões de como a IEC pode colaborar para maior participação das partes interessadas nas atividades de normalização internacional, com vistas ao incremento da competitividade e comércio. Fábio Dias, chefe da Divisão de Acesso a Mercados do Ministério das Relações Exteriores, pontuou que o Acordo de Comércio e Cooperação Econômica assinado com os Estados Unidos no ano passado estabelece a adoção de boas práticas e o uso de normas internacionais.

O presidente do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), Marcos Heleno Guerson de Oliveira Junior, ressaltou a ligação com a ABNT na missão de prover infraestrutura de qualidade ao país, mas alertou que é preciso ter mais rapidez e flexibilidade. “O Brasil está em grande esforço para atualizar a gestão pública”, ele alegou, anunciando ainda que o Inmetro deverá implementar seu novo Modelo Regulatório até o final deste primeiro semestre, alinhando com as melhores práticas de regulação e fiscalização internacionais e com a maior competitividade dos produtos no mercado.

A visão da indústria foi apresentada por Klecius de Souza, vice-presidente de Building da Schneider Electric Brasil; Willian Pereira, diretor de Produtos Elétricos da Siemens; e Rodrigo Fumo Fernandes, direto global de Engenharia da WEG. O ponto comum entre eles foi a importância de se dispor de normas de sistemas de segurança em um mundo cada vez mais conectado. Na mesa-redonda propriamente dita, os participantes manifestaram a disposição de estimular pequenas empresas e as novas gerações para a aplicação de normas técnicas voltadas à inovação e tecnologias do futuro.

Phillipe Metzger, que desde a sua posse em fevereiro de 2020 vinha visitando pessoalmente alguns países membros relevantes da IEC, não impediu que a reunião virtual, por força da pandemia, limitasse o contato com a ABNT, o Cobei e órgãos de governo. Para a indústria, especialmente, o secretário-geral reiterou o comprometimento da IEC em ajudar a otimizar os benefícios de sua participação na entidade, considerando o interesse do Brasil em ter produtos cada vez mais tecnologicamente competitivos, bem como participar intensamente da cadeia produtiva global de produtos elétricos e eletrônicos, de tecnologia da informação e comunicação, dispositivos médicos etc., visando ao mercado internacional.

O evento recebeu apoiodas empresas Schneider Electric, Siemens e WEG e, institucionalmente, da Abinee.

Assista a gravação do evento em nosso canal no YouTube: https://www.youtube.com/watch?v=MQUpIWnYnXE