Convnio Sebrae ABNT

Normalização para Grandes
Empresários de Pequenos Negócios

 

Parcerias investem R$ 100 milhões em núcleos de inovação

A indústria brasileira e o Governo Federal anunciaram na segunda-feira (28), em São Paulo, duas parcerias para estimular a inovação nas empresas. No total, as parcerias investirão cerca de R$ 100 milhões na formação de núcleos estaduais e setoriais de apoio à pesquisa e desenvolvimento tecnológico.

Esses núcleos incentivarão as empresas a investir em novos produtos e processos e orientarão empresários e dirigentes empresariais a preparar e implantar projetos de inovação. As parcerias foram detalhadas pelo presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, pelo secretário-executivo do Ministério de Ciências e Tecnologia (MCT), Luís Elias, e o diretor-técnico do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Carlos Alberto dos Santos.

Em uma das parcerias, o MCT, a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep/MCT) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES) lançarão um edital, na próxima semana, com recursos da ordem de R$ 50 milhões para estruturar 20 núcleos de apoio à gestão da inovação. A fonte dos recursos é o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT). Os núcleos serão preferencialmente articulados com as federações de indústrias dos estados e do Distrito Federal e com associações setoriais da indústria.

A criação de uma rede de núcleos de inovação é uma das ações da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), projeto da CNI que articula líderes empresarias e parceiros como o Sebrae com o objetivo de fazer da inovação um tema permanente dentro das empresas. Eles atuam na mobilização, capacitação e apoio às empresas nas atividades de gestão da inovação. Segundo Robson Braga de Andrade, nos núcleos as empresas deverão ser capacitadas em gestão da inovação, no diagnóstico da situação de inovação da empresa e assessoria empresarial para elaboração de planos e projetos de gestão da inovação. De acordo com Elias, a perspectiva do governo é de que os recursos para estruturação dos núcleos permitam atender a 1.600 empresas.